The Melting Man - Nele Azevedo — Boteco Design
fade
2431
post-template-default,single,single-post,postid-2431,single-format-standard,eltd-core-1.2,malmo-ver-1.2,eltd-smooth-scroll,eltd-smooth-page-transitions,eltd-ajax,eltd-grid-1300,eltd-blog-installed,eltd-header-standard,eltd-fixed-on-scroll,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-dropdown-slide-from-top,eltd-fullscreen-search,eltd-search-fade,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

The Melting Man – Nele Azevedo

Tá aqui mais uma artista brasileira que eu não conhecia, mas que tem feito fama lá fora – em diversos países do mundo. O seu nome é Nele Azevedo, ela se formou na UNESP, e sua obra ficou famosa por causa de uma de suas últimas intervenções, o The Melting Man.

concert hall na praça gendarmenmarkt em Berlim, © reuters

concert hall na praça gendarmenmarkt em Berlim, © reuters

A ação aqui é bem simples: ela esculpe no gelo diversos homenzinhos sentados, e os coloca em escadarias de locais famosos, como a praça Dom Joao I, na cidade do Porto, em Portugal ou o Instituti degli Inocenti, na Piazza della Santíssima Annunziata em Florença. O público que se encontra presente no local acaba ajudando a colocar os bonequinhos (que podem chegar a 1200, como no caso de Florença). E em mais ou menos 30 ou 40 minutos, eles derreteram-se todos.

Em uma entrevista dada ao site GreenMuze, Nele diz que a obra faz parte de um conjunto de intervenções chamado Monumento Mínimo, que propõe analisar o papel dos monumentos na cidade contemporânea através da inversão: ao invés de um herói, um anônimo, ao invés de pedra, algo efêmero como o gelo, e tudo em escala oposta à monumental.

Mas os ambientalistas acharam outra versão para a obra, como falar sobre os efeitos do aquecimento global. Nele afirma que ficou feliz ao saber da nova interpretação, e que sua obra poderia ser utilizada como uma forma de ajudar o planeta.

Nele e um dos anônimozinhos

Nele e um dos anônimozinhos

Via: GreenMuze e designboom


  • eu gostei muito das obras