What Design Can Do SP discute o poder do design

What Design Can Do SP discute o poder do design

12360027_1220683021280006_6581633223017545604_n
Você já parou para pensar no que o design pode fazer para deixar você mais feliz? Ou qual o impacto que o design pode gerar em um determinado grupo da sociedade? Ou então como o design pode melhorar a vida de pessoas que vivem em situação de risco?

São Paulo novamente será palco de um dos eventos mais respeitados sobre design no mundo, o What Design Can Do.

O evento vai rolar nos dias 13 e 14 de dezembro, e irá reunir cerca de 20 palestrantes de diversos países para abordar importantes questões, como o que o design pode fazer por questões urbanas, refugiados, comida, consciência cultural e comunicação.


Bebel Abreu, produtora e sócia brasileira do evento, destaca que a importância do evento é discutir o design como comportamento – e não como disciplina. “Apesar de o papel do design estar mudando mundo afora, ainda é muito associado à estética. Não temos nada contra cadeiras bonitas, mas acreditamos que o design é uma importante ferramenta de transformação. É isso que pretendemos discutir na conferência.”Comenta Bebel.

 

Dentro dessa premissa, o evento definiu os 5 macrotemas que balizam a escolha dos palestrantes:

O que o design pode fazer pela consciência cultural: designers que valorizam a autêntica expressão cultural conseguem mostrar isso em seu trabalho. Muitas vezes, eles dão uma nova vida ao trabalho manual e a técnicas em risco de extinção.

O que o design pode fazer pela comunicação: uma programação visual clara e intuitiva é essencial para o sucesso da absorção de novos conceitos e mensagens, além de contribuir para a melhoria social. É, também, uma maneira tangível de mostrar o poder do design.

O que o design pode fazer pelos refugiados: Em resposta a uma das maiores crises humanitárias da história recente, o WDCD apresentou, na edição do WDCDSP 2015, o desafio internacional What Design Can Do Challenge for Refugees. Agora, com os projetos premiados já em fase de implementação, o desafio volta para os palcos brasileiros com os resultados dos cinco vencedores.

O que o design pode fazer pelas questões urbanas: Metade da população global já vive em cidades – e este número irá aumentar ainda mais nas próximas décadas. Com tanta gente dividindo o mesmo espaço, a sociedade urbana precisa lidar com um número crescente de questões urgentes.

O que o design pode fazer pela comida: dentro do design, a comida está emergindo como uma das áreas mais interessantes a serem exploradas. Ao elaborarem questões sobre as origens, a produção e o apelo da comida, designers, food designers e chefs têm insights sobre o futuro do fornecimento e da produção de alimentos em um planeta que planeja acabar com a fome ao mesmo tempo em que sua população não para de crescer.

11214204_1220684054613236_1369136869334807117_n

Richard van der Laken, fundador do WDCD, explica o porquê de trazer o evento a São Paulo. “Eu poderia dar milhões de motivos para isso, mas só dois são realmente importantes. O primeiro, foi que em São Paulo eu conheci pessoas como a Bebel, que querem dar ao design o reconhecimento que ele merece. Além disso, eu também acho que tanto São Paulo quanto o Brasil são lugares com uma fantástica comunidade criativa – tanto, que muitos convidados do WDCD vêm daí”.

12366467_1220684154613226_4383358723260455677_n
Durante os dois dias do WDCDSP 2016, o palco principal, no Teatro FAAP, recebe palestras pela manhã e ao fim da tarde. Entre um bate-papo e outro, nos intervalos, o WDCDSP 2016 oferece sessões especiais de aprofundamento em temas específicos, as breakout sessions, com público menor e tempo maior de duração. O objetivo é levar o público a escolher os temas que mais os interessou e permitir que tenham uma experiência mais rica e aprofundada com os palestrantes em questão.

Para discutir assuntos tão importantes sob o viés do design, estão confirmados nomes de peso, como JACOB VAN RIJS (HOLANDA) sócio-fundador do escritório de arquitetura MVRDV, a artista e designer  ERIK KESSELS (HOLANDA), a estilista SELLY RABY KANE (SENEGAL), FRED GELLI (BRASIL) diretor criativo da Tátil, o multidisciplinar designer ROGIER KLOMP (HOLANDA), o pessoal do projeto POPULAR DE LUJO (COLÔMBIA), o estúdio de design SAM BOMPAS (REINO UNIDO), a jornalista holandesa e produtora EEFJE BLANKEVOORT (HOLANDA), o chef paulistano RODRIGO OLIVEIRA (BRASIL), o arquiteto croata MARKO BRAJOVIC (CROÁCIA/BRASIL), o jornalista ANDRE NADDEO (BRASIL), e também a jornalista, empreendedora social e cicloativista ALINE CAVALCANTE (BRASIL).

12346474_1220183777996597_8649952724323022107_n
A conferência internacional What Design Can Do acontece pela 2ª vez no Brasil, os ingressos estão à venda no site, as palestras contam com tradução simultânea para português e o evento disponibiliza tradução simultânea em libras.



WHAT DESIGN CAN DO SÃO PAULO 2016 • 13 e 14 de dezembro, das 9h30 às 18h30
FAAP. Rua Alagoas, 903, Higienópolis, São Paulo
Ingressos: www.whatdesigncando.com.br
Valores: entre R$ 180,00 e R$ 690,00

Salvar

Salvar


Salvar

mm
Jean é um cara multi-disciplinar, estudou artes plásticas, design e comunicação, é designer na UNO+BRAND. "Party people" de carteirinha, ele também é editor do portal PLUGtronic.com