Uma ideia promissora para o futuro da mobilidade urbana

publicidade

Na última edição do What Design Can Do, que acontece eu São Paulo, a Questtonó, consultoria de inovação com escritórios em São Paulo, Nova York e Rio de Janeiro, apresentou um estudo que aponta para o futuro da mobilidade em grandes centros urbanos.

Em um painel que debateu “O fim dos carros ou um novo começo?”, ao lado de especialistas no tema, como Renata Grande, da Ford; Caio Vassão, arquiteto, urbanista e professor especializado em metadesign, e Natália Garcia, do projeto Cidades Para Pessoas, Barão di Sarno, designer e sócio fundador da Questtonó, apresentou Digital Rails: uma visão sistêmica para criar novas experiências em mobilidade.

Se há apenas dois ou três anos as pessoas imaginavam tratar-se de um futuro distante ou de um filme de ficção científica quando se falava em carros autônomos, agora sabemos que é apenas uma questão de tempo para que nossas vidas estejam cercadas por eles. Todos os dias, empresas como Google, Uber e Tesla aplicam testes e pequenas atualizações em sua tecnologia, o que nos aproxima cada vez mais de uma nova era.

Digital Rails propõe uma solução de baixo custo para que a transição entre os dias atuais e a era dos carros autônomos, uma realidade iminente, seja harmônica. O projeto otimiza a infraestrutura já existente nas grandes metrópoles, abre possibilidades para a integração da iniciativa pública e privada e permite que o sistema autônomo atinja sua máxima eficiência, além de coexistir com carros convencionais e outros modais.

 

Mas como isso fomo funciona?
A partir de uma malha de vias dedicadas a carros sem motoristas, orquestrada virtualmente por um sistema aberto de dados (open API), a plataforma virtual Digital Rails coordena semáforos inteligentes e veículos autônomos para garantir aos passageiros uma rota sempre verde, que nunca pára. O sistema foi inspirado no sistema circulatório do corpo humano e idealizado com base em três pilares: sistema aberto de dados, faixa exclusiva para veículos autônomos e formação de comboios.

“Estamos vivendo um movimento de revolução não só do automóvel, mas de um modelo de indústria, de comportamento das pessoas, impulsionado em grande parte pela evolução cada vez mais veloz da tecnologia. Por isso acreditamos que a solução para os problemas complexos da atualidade deve ser sistêmica”, disse Levi Girardi, CEO da Questtonó.

 

Confira no vídeo abaixo detalhes do projeto

mm
Jean é um cara multi-disciplinar, estudou artes plásticas, design e comunicação, é designer na UNO+BRAND. "Party people" de carteirinha, ele também é editor do portal PLUGtronic.com