dependendo da repercussão que o assunto tiver, ele pode vir a ser bem exposto na mídia brasileira. a Relish, marca italiana de roupas para mulheres jovens, lançou uma campanha para divulgar sua nova coleção com modelos teriam supostamente sido paradas em uma blitz da Polícia Militar, no Rio de Janeiro. estas modelos aparecem em fotos sendo abusadas por policiais, que passam a mão em suas coxas e bundas, e as seguram com certa truculência, como se fossem “machos estupradores”.

relish-rio-09-1

relish-rio-09-2

não vou entrar no mérito sobre ser o Rio, de sermos brasileiros, estão manchando nossa imagem no exterior, nada disso. acredito que o principal fator nesta campanha foi a escolha do Rio como cenário, por ser muito apelativo visualmente, com um cenário que é belo por si só. por isso, a Polícia Militar é a do Rio. não que isso seja perseguição contra a bela parcela de policiais corruptos e ligados ao tráfico de drogas, a corporação pode ficar tranquila quanto a isso, duvido que tal coisa tenha passado pela cabeça de quem fez esta campanha. aliás, duvido que quem fez esta campanha deva ter gasto muito tempo pensando nela.

este é um tipo de campanha que eu não gosto, por apelar grotescamente para a conotação sexual, e de maneira vazia. é uma zona de conforto, “funciona”, e todo mundo vai para casa feliz. o que resta disso é a certeza de que a campanha foi feita por um homem, que quis exaltar a testosterona masculina e mostrar a submissão feminina, afinal, ali as mulheres são tratadas apenas como um (suculento) pedaço de carne.

vi esta matéria no site do O Globo, e junto com ela havia uma enquete, perguntando quem teria a imagem prejudicada com esta campanha, seriam as mulheres brasileiras, italianas, a polícia do Rio, etc. mas agora eu pergunto: o que o Carnaval brasileiro mostra para o mundo? mostra como somos inteligentes, como não desistimos nunca, somos batalhadores, nossa força para construir um país melhor? ou mostra apenas que temos muheres gostosas, peitudas, que no carnaval podem sair peladas na rua dançando, homens podem se vestir de mulher e revelarem seu lado feminino e depois darem a desculpa padrão -ah, é carnaval!, e também servir como o nosso marco de ano novo, pois como a sabedoria popular já diz, o ano novo só começa no Brasil depois do Carnaval.

não defendo a Relish, com o argumento de que “ah, é isso que nós mostramos para o mundo, é isso que eles absorvem“, longe disso. acho que independentemente do país e da cidade que escolhessem, uma campanha de tão baixo nível é igualmente ruim e humilhante para as mulheres, para todas as mulheres, independente da nacionalidade. mas o Rio também tem um forte apelo para o turismo sexual, e na minha opinião isso é muito mais preocupante para a cidade do que esta infeliz campanha. as autoridades tem todo o direito e devem mesmo manifestar seu repúdio pela campanha, mas também é preciso tomar outras medidas para que a imagem do Rio e da Polícia Militar mudem para melhor, pois notícias de policiais em milícias, e enquanto crianças levarem tiro na cabeça, a imagem vai ser muito mais prejudicada do que com campanhas publicitárias infelizes.

assista também ao making of da sessão fotográfica em Ipanema.

via O Globo

Assine nossa newsletter

Receba o melhor conteúdo para se atualizar e inspirar

Concordo com os Termos de Privacidade do Boteco Design